Angústia: um jovem e um gato.

A história a seguir, narrada de forma resumida como todas as outras histórias em que se teve pressa, foi vista por mim. Um viajante do tempo de nome Nebuloso. O tempo não esperou, e não tive tempo de lembrar meu sobrenome mas recordo bem do ocorrido em questão. E sim, viajante do tempo pois vi tudo em vários recortes estranhos de realidades diferentes. Quinta-feira , Julho de 1996. 19:00.

Era mais ou menos por volta de 14:40 de uma tarde de quarta-feira, quando uma forte queda de energia elétrica aconteceu, tomando conta de toda a pequena cidade de Liverbaas. A falta de energia, nesse dia, se fez até a madrugada do próximo dia quando finalmente voltou. Nessa mesma tarde de vento quente, um repetino acidente com vítimas fatais ocorreu em uma rodovia onde se via uma placa em azul escuro, de informação “Limite de zona urbana – quilômetro 187″. Sim, foi em torno dessa hora sob o escaldante sol de verão do nordeste, onde as ervas daninhas sufocam as outras plantas e os carrapixos espinhosos grudam muito mais, em quem passa despercebido por entre o acostamento de terra daquela mesma rodovia de muitos transeuntes rotineiros.

Exatas 13:40, uma hora antes da fatídica queda de energia, trabalhava alí próximo àquela mesma rodovia o jovem Reynold. Era um cara de aparente melancolia, e também de um coração nobre e humilde. Trabalhava há pouco mais de três meses em uma fábrica de produtos químicos. Esses produtos eram comercializados para serem usados posteriormente como base para diversos outros produtos já finalizados. Reynold trabalhava alí naquele momento rapidamente como todo dia, onde punha os selos de verificação de qualidade nas embalagens atencioso para vacilar em nada, em uma linha de montagem fabril. Nesse dia ele estava, para variar, bastante chateado. O gerente de sotaque sulista que era o belo de um estúpido e prepotente, havia lhe chamado atenção na frente de todos os outros logo cedo, apenas por ele ter desacelerado um pouco seu ritmo de colagem dos selos.

Suas mãos e braços estavam bastante cansados, visto a posição baixa que tinha de ficar. O gerente era assim mesmo, dalí para pior. Chamar atenção é algo necessário em muitas ocasiões, mas ele abusava de poder alí dentro. Gritava, xingava, ameaçava despedir, toda uma humilhação… Bastava algum trabalhador olhar para o lado, apenas. O perfil típico de um tirano no qual todos respeitam por puro medo, jamais por afeto. Reynold pensou e pensava novamente em naquele momento, pedir sua demissão. Mas ao mesmo tempo lembrava que tinha sua avó que estava prostrada havia algum tempo, a casa que era alugada, todas as outras contas que um pobre trabalhador sofria e sofre para quitar, e também sua mãe que fazia algumas faxinas umas poucas vezes ao mês, e que ele ajudava. Moravam os três apenas e o mariscado, um gatinho cor de chumbo que era muito apegado a Reynold.

Todos os dias quando chegava cansado daquela fábrica que mais parecia uma prisão torturante, ele sentava no sofá da sala. Aquele mais baixo e meio rasgado, e o mariscado parecia saber na hora. Saía correndo como uma criança feliz e ingênua, pulava na perna do dono, e alí ficava recebendo carinho… Há de se dizer que muitas vezes, os dois dormiam juntos. Até Reynold levantar e dizer ” Anda bebêzão, sua ração tá no prato.” Mariscado acompanhava o garoto, e comia. Reynold adorava ficar observando esse ato de necessidade do seu gatinho, e ficava alí as vezes, até que ele terminasse sua pequena refeição. Era como uma terapia para o rapaz.

Reynold ainda enfrentava naquele momento, outras guerras mentais. Na noite passada, seu relacionamento amoroso teve um repetino fim. Quem rompeu foi sua parceira mesmo, sem mais nem menos, algum motivo aparente… Foi estranho, isso achei. Não era um “amor líquido” como se vê tanto hoje em dia. Muito pelo contrário, demonstrava deveras sua solidez. Pois visto que eles estavam bem até então, Foi algo bem súbito mesmo.

“Talvez, quem sabe, pela minha humilde condição financeira? Não sei, talvez não… Ela me falou dos pais dela, que estavam discutindo, ela achava melhor assim para nós… Pior que já tentei ligar para que a gente conversasse como ela pediu, mas o celular deve está desligado, ela não atende. Como eu gostaria de ir lá em sua casa agora meu Deus! Mas pareço estar preso aqui! ”

Reynold pensava insistentemente nisso e anseiava profundamente enquanto concentrava- se para colar os selos nas respectivas embalagens para que não houvesse mais nenhum erro por alí, o pobre moço já encontrava-se amargurado de mais, para mais alguma possível desventura. Foi quando o universo pareceu lhe ouvir e conceder seu pedido, seu desejo. As máquinas alí a todo vapor quando de repente, foram parando aos poucos até cessarem completamente. A energia elétrica da cidade havia caído. Reynold entrou no meio de dezenas de trabalhadores que largaram seus postos naquele momento e encaminharam-se para o portão de saída esperando ele abrir para finalmente, terem a liberdade de ir para casa. Alguns diziam com voz baixa “anda, abram esse portão depressa antes que a eletricidade volte e ele nos mande de volta para as máquinas!” Reynold e alguns outros riam baixinho daquilo, pois era verdade. O gerente tirano certamente faria aquilo mesmo.

Muitos foram de moto para casa, outros pela rodovia oposta à de reynold e os outros pelo sentido oeste onde havia aquela placa em azul, na qual foi testemunha inerte do tal ocorrido que já irei falar.

Por aquele trecho da rodovia algo diferente: uma não movimentação incomum, visto que alí deveria está bem mais movimentado já que os funcionários acabara de largar do horário de serviço. Mas não. Reynold passava por alí para ir para casa, quase que sozinho, não fosse por dois amigos que também trabalhavam na fábrica, virem a uns 10 metros atrás dele. Os dois conversavam e um acendia um cigarro.

Reynold caminhava olhando para baixo pensando em inúmeras coisas. Iria na casa de sua amada tentar conversar dalí mesmo ou seria melhor ir logo em casa? Ele sentia que iria ficar tudo bem entre eles, naquela noite ainda. Será que mariscado estava com muita fome? Mas o bixano podia esperar. Ele chegaria de tão cansado que tava e os dois descansariam juntos… E sua avó? Teria tomado o remédio na hora correta? As dores teriam acalmado mais? Ao chegar ele iria conferir também. Sua mãe as vezes esquecia da hora certa… Muitas preocupações para a coitada também, ele sabia disso. Reynold olhou para os céus e viu duas gaivotas que voavam em uma sincronia bem feita e cantavam alegremente. Incrível como aquilo lhe encheu de paz e lhe tirou um sorriso feliz, daqueles de lado sabe? Eu sei o quanto ele desejava ser uma delas… Quando ele baixou a vista e olhou em direção a rodovia, viu que bem no meio dela, onde se divide duas faixas de sentidos diferentes para os veículos, estava alí um gatinho.

Reynold devia está a uns 15 metros de distância ainda dele e falou baixinho “Ah meu Deus, ele vai morrer! Olha o caminhão que já vem se aproximando alí!” Eu também jurava que o caminhão iria esmagar o pobre gato perdido naquele instante, mas não. No último segundo ele fez um movimento e o vento forte do arrasto só balançou o gatinho, que miava desesperadamente, mas que nem por isso saiu do meio da rodovia. Reynold ficou feliz por aquilo. Acenou e sorriu amigavelmente para o caminhoneiro, que não teve tempo de responder visto a velocidade que passou por alí.

“- mas que diabos esse gato tem? Porque ele não sai dalí? Qualquer animal deveria sentir o perigo e correr, mas ele não!” Eu sempre achei que o gatinho achava mesmo, que a real ameaça era o bondoso rapaz.

Pois quando ele se aproximou a uma boa distância do gato e fez menção de apanhá-lo, ele finalmente saiu do meio da pista e correu para o mesmo lado onde Reynold estava. Estava assustado e com seu mesmo miado perdido… Reynold pensou “- Vou levar ele para casa. É uma vida igual eu, igual qualquer outra. Deve está com fome e com medo. Mariscado vai ganhar um irmãozinho!”

Porém nesse instante, o animal não deixou que o jovem lhe segurasse, e saiu correndo por entre suas pernas onde voltou para o meio da rodovia. “-Mas que droga meu! Ele está muito assustado! Porque só quer ficar alí?” Era como se o gato sentisse algo, como se chamasse Reynold para um último e inevitável evento do qual ele não queria participar sozinho.

O jovem rapaz errou naquele momento e teve o mesmo impulso que o gato. Correu atrás dele para o meio da pista, e incrivelmente conseguiu segurar. Seu plano teria dado certo se ele tivesse pensado antes. Mas naquele momento um outro caminhão vermelho carregado com carvão, se aproximou buzinando freneticamente e antes que Reynold pudesse correr ou esboçar qualquer palavra, o caminhão apanhou os dois em cheio.

Nesse momento do impacto, os dois corpos foram arremessados a uma certa distância. O corpo quebrado e rasgado do pobre rapaz, foi lançado em cima dos matos no acostamento. Alguns de seus membros foram arrancados. O pequeno gatinho foi atingindo apenas na cabeça e não foi esmagado, mas ficou se debatendo desesperadamente na pista até morrer. O caminhão como era de se esperar, nem bombeou com a batida. Ele jamais parou para prestar socorro. Era tanto sangue alí jogado, tanto mesmo, meu Deus… Os dois rapazes que vinham atrás de Reynold levaram a mão a boca, abalados e em choque com o que tinham acabado de presenciar alí. Um deles correu sem acreditar até o jovem, e quase não pode crer naquela terrível cena. O outro contatou o resgate, que em poucos instantes não era só mais um carro mas muitos outros incluindo polícia, perícia forense, e tantos curiosos que respeitavam a afamada e nefasta faixa amarela que indicava sempre naquelas circunstâncias, vítimas fatais. Todo aquele trecho que era o principal entre Liverbaas e Corlicuty , foi interditado por mais ou menos duas horas e meia.

Apareceu alí entre aquela multidão um velho amigo de Reynold também, que proferiu a frase de uma canção triste, isso eu não poderia deixar de relatar. Os dois amigos gostavam muito daquela canção… “-Meu amigo Reynold, partiu assim tão trágico? E tão cedo? Porque meu Deus, porque! Oh morte tu que és tão forte, que mata o homem, o gato, e o rato… Só te peço que se vista com a tua mais bela roupa quando vieres me buscar também…” E tendo dito isso, aquele homem bastante abalado, foi embora dalí chorando. Não queria mais presenciar aquela tragédia. Talvez fosse até a mãe do jovem, afim de sentir e dar conforto.

Nesse instante os peritos puseram o corpo do gatinho nos matos do acostamento com visível desdém e o de Reynold, no compartimento de plástico que fez o transporte até o carro do IML. Nesse instante, um dos peritos pegou o celular do jovem que estava bem alí e incrivelmente intacto, apenas com alguns arranhões talvez, por ter caído em cima de uma pequena moita. Logo na tela continha algumas mensagens de destinatários diferentes. Eram algo assim: “-Reynold, sou eu a Júlia. Vem aqui em casa depois do seu trabalho, tive uma conversa com meus pais e acho que agora será melhor pra gente, sempre vou te amar, nunca devíamos ter terminado!” E outra que dizia “-Reynold, sua avó piorou meu filho! Ela desmaiou agora a pouco aqui e eu estava sozinha! Vem logo preciso de sua ajuda aqui! Ela vai para o hospital agora!”

E o gatinho mariscado meu Deus?! Esperaria para sempre seu dono chegar, pôr sua ração no prato, e dormirem juntos…algo de cortar o coração. Naquele dia como já foi dito anteriormente, a energia elétrica só voltou na madrugada do dia seguinte. Não consigo nem mensurar em palavras como tenha sido depois daquela tarde amarga, uma noite escura mais amarga ainda. Já era quase noite, e lembro nitidamente do som distante de sirenes, choros, e aquela clássica movimentação de uma cidade agitada e sob o escuro de uma noite estranha e quente.

Créditos à arte de capa: Paulo Ricardo

4 comentários em “Angústia: um jovem e um gato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s