Esboço perdido

Era uma tarde exposta ao vento e o mar roncava em estrondo espumoso bem alí. Os coqueiros com o resto da vegetação, dançavam pra lá e para cá a dança do vento… E a areia da praia voava forte com suas salinas misturas e pedriscos tão alvos. Tornava a tarde mais alaranjada e turva de se ver. No revoar da areia, lembrava uma horda de mosquitos velozes e quentes voando em direção ao vermelho e longínquo oeste. Relativamente, era a direção contrária para aquela solitária silhueta que estava abaixado sob suas pernas logo alí adiante sobre a areia que era cavada com a força da água que ia e voltava. Passos afundaram continuamente a areia há poucos instantes. E seguiam… até terminarem em dois joelhos dobrados que suportavam o restante do corpo.

Ao lado de umas poucas e grandes rochas que amenizavam por alí tamanha força marítima , próximo de onde quebravam as incessantes ondas azuis, alí ele restava. Estava com um papel de aspecto velho na mão onde continha o esboço de uma cidade, que, não fosse por seu alto relevo e um velho traço detalhado quase apagado, seria apenas um papel em branco que possuía uma resistência extrema e desconhecida com a água. Os detalhes eram todos de um refinado traço feitos como uma mancha forte de impregnado pó de café. Esfumaçado e indelével. O esboço mostrava uma imensa cidade, entre prédios colossais e áreas tão extensas e desabitadas feito um grande deserto verde. “Não entendo, que estranho… Mas isso é uma cidade! Como assim? Quem perderia algo assim tão importante? Bom, pelo menos deveria ser muito importante… E foi o vento ou o oceano que me trouxe? Será que alguém mais viu? Ou veio só para mim? Se alguém viu ou não, certamente és muito antigo e agora, está longe de mais, seja quilômetros, anos ou memórias, são já em milhares a distância de quem a perdeu.” A folha então é virada ao verso e lá está a grande frase póetica de Drummond, na qual o solitário da praia tanto amava e até tinha tatuada em seu corpo “No mar estava escrito uma cidade.” “-

Ah! Então era isso… A cidade que ele falou, que ele falava ou sonhou está aqui em minhas mãos. Será que o esboço foi perdido pelos engenheiros celestiais? Ou Drummond quis me presentear? Talvez soubesse da minha ânsia em ver tão qual seria tal cidade, todo o meu sonho que já cheguei a falar… Sempre imaginei e era exatamente assim. Extensa além da linha azul que sou capaz de ver onde casas e seres seriam um só, onde o afeto e amor pairava no lugar de nuvens… Um sonho que nunca houve, ou se houve, é demasiado belo para existir.”
Nesse instante uma onda que veio mais forte do que as outras quebrou sobre ele envolvendo- o até a cintura fazendo-o assim, soltar aquele velho papel esbranquiçado.

Levantou e olhou imediatamente para todos os lados na água, querendo desesperadamente recuperá- lo para quem sabe guardá-lo consigo afim de mostrar para alguém, pôr em alguma moldura, escrever algo sobre ou mostrar em algum jornal por aí… Mas jamais viu novamente tal papel, jamais o pegou outra vez. Seus olhos vermelhos encheram de lágrimas e chegavam a arder em junção da forte maresia presente alí. Então ele falou baixo “Entendi… Entendi já. Seria um cego de verdade se não decifrasse… Que assim como o poeta some tu também te vais, para sempre, deixando apenas um vazio lotado seja de sonhos ou recordações. Mas sempre forte e presente, não apaga… Então vá minha linda cidade, vá! Seja sal agora, seja azul novamente… então seja mar para sempre!”

post

11 comentários em “Esboço perdido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s