Arte celestial

Era um artesão cujas vestes eram garbosas e longas. Escovava as nuvens delineando sua arte, e soprava de forma bem lenta as extensas formas sem sombras.

Eram artesenatos nas duas cores do mesmo céu. Tão sublime quanto o branco eminente, tão sublime quanto cada ponto infinito dos mesmos tão altos véus.

O artesão esculpia e caminhava com calma, ao seu rastro sopravam incontáveis as auras. Também ouvia-se os semitons das canções que alí entonava, aos tão longícuos passos que dava.

Nas cores neutras se fazia mais simples à medida que passava. Mas ele também salpicava a maior parte com cores quentes, de um alaranjado vermelho ao qual bem alí se bordava.

Nas sedosas formas dos cirro ou no esplendoroso tapete dos stratus, eu via estender pouco a pouco a fina tela pelo artesão diplomático.

Toda sua aquarela, transbordava pelas bordas com as cores celestiais. Era de um todo pluriforme, a medida que lançava as infinitas formas desiguais.

Ao fundo o pano de cores análogas bem mais frias, formava sua tonalidade em totalidade à sua arte em supremacia. O artesão era hábil, e apenas com uma mão afastava as silhuetas inconstantes que ao meu olhar se desfazia.

E eu tão pequenino alí em baixo sentado sobre uma pedra tão fria, apenas observava sua mão delicada em fazer arte sem embaraço.

Mas prometi- lhe de longe, lhe escrever alguma passagem perante o misterioso universo. Prometi para mim mesmo, que lhe escreveria nem que fosse um rápido conto, escrito num último verso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s